Life aposta no IPTV da Cianet para oferecer triple-play


Em caráter de soft-launch desde setembro do ano passado, a plataforma de IPTV do provedor de Internet (ISP) Life em Marília, interior paulista, será lançada nesta semana. O middleware utilizado é o Kingrus, desenvolvido pela fornecedora Cianet em parceria com o ISP e que já aplicado em outros locais e provedores, mas para exibição de canais abertos. A diferença é que a plataforma será utilizada pela primeira vez para entrega de TV paga via fibra até a residência (FTTH), e a promessa é a de oferecer as vantagens da solução sobre as tecnologias tradicionais, como cabo ou DTH.

O presidente da Life, Oswaldo Zanguettin, diz que a implantação "deu trabalho", com ajustes para fornecer o serviço com estabilidade. Ele optou por fazer um piloto com cerca de cem assinantes reais, adicionando uma pequena quantidade de clientes a cada mês para ir crescendo de maneira lenta, sem divulgação. "Passamos os primeiros seis meses que são críticos, quando surge uma série de detalhes a serem corrigidos. Até fevereiro, a gente corrigiu uma série de bugs e coisas inesperadas que aparecem ao longo do caminho. Agora a operação está estável, então decidimos lançar", diz o executivo.


Entre os problemas apresentados na fase inicial houve travamentos no software, implantação de equipamento na fibra, fornecimento simultâneo de serviços (o protocolo IGMP gerava desligamento da porta Ethernet do modem), entre outros. "Para ser sincero, eu esperava muitos outros, mas não, foi relativamente tranquilo", declara Zanguettin.

A escolha do Kingrus aconteceu por apresentar vantagens econômicas, mas também por conta da desistência de um fornecedor europeu, que já havia atrasado o projeto e acabou decidindo não entrar no mercado brasileiro. A Cianet já era parceira em equipamentos de infraestrutura de rede, então Zanguettin iniciou conversas com a equipe técnica da fornecedora e desenvolveu em conjunto a plataforma. "Como a gente já usava equipamento de rede deles, acabamos trabalhando muito na parte de rede, set-top box (STB), integração e plataforma." Os STB utilizados no IPTV da Life são fornecidos tanto pela Cianet (e que estão em fase final de homologação na Anatel) quanto pela suíça Albis. Para facilitar a implantação, o ISP de Marília utiliza redes virtuais para levar o sinal até o modem, a unidade de terminação ótica (ONT), que divide os sinais em duas portas para telefonia, uma para a Internet (o equipamento vem com Wi-Fi, por enquanto em 2,4 GHz b/g/n) e para a TV.

Conteúdo

Desde novembro, a Life começou a implantar uma segunda versão do sistema, que traz agora guia eletrônico transparente, busca de canal e refina o sistema de gravação na nuvem (armazenado no headend da ISP), que permite recurso de catch-up TV e de TV on-demand. O executivo explica que essas e novas funções, como navegação e vídeo on-demand, já podem ser incluídos no middleware, mas não foram oferecidos ainda por ser necessário uma divulgação e "educação" do cliente final. As funções relacionadas a gravação estão gratuitas nessa fase experimental, mas a empresa deverá cobrar um valor adicional na assinatura. Em relação ao VOD, Zanguettin se mostra frustrado pela dificuldade de se obter conteúdo. Ele considera uma parceria eventual com um over-the-top (OTT) como a Netflix, já que há o objetivo de oferecer no VOD conteúdo regional, e não apenas filmes de Hollywood.


O presidente da Cianet, Ricardo May, diz que a integração do STB com serviços OTT está em estudo. "Netflix será um dos apps, mas tem essa parte de integração, tem a parte de criptografia para o STB decodificar", explica, citando também o portal de vídeos YouTube. Para o VOD, o desafio é a negociação do conteúdo com estúdios e o pagamento da taxa do Codecine.

Atualmente, a Cianet usa o middelware de IPTV para distribuição de programação aberta com operadoras do Pará (VocêNet), Amapá (Compuservice) e Santa Catarina (Engeplus), entre outras. "A expectativa é que uma segunda operação (com TV paga) comece em dois a três meses", declara May. Segundo o executivo, a empresa é a única brasileira a contar com solução fim a fim para IPTV, fazendo papel de integrador e entregando equipamentos de rede, além de oferecer o set-top box com financiamento através do cartão do BNDES e de crédito do Finame. "A Cianet tem visão mais geral sobre a solução, então a gente consegue resolver problemas de forma integral", afirma.

Na questão da programação, a Cianet afirma que a saída é que provedores com licença de Serviço de Acesso Condicionado (SeAC) procurem a associação NeoTV, com quem a empresa tem parceria. A ideia é permitir a negociação de conteúdo em escala, unindo vários ISP pequenos.

Infraestrutura

A Life continua com seu projeto de FTTH no interior paulista. A empresa já lançou o IPTV também no município de Pompeia e deverá, no final de maio, lançar o serviço em Garça. Ambas as cidades são próximas a Marília, onde fica a sede da empresa. "A gente tem um data center, então o usuário de Garça vai acessar o headend (para usar o recurso de gravação), precisa ter uma porta enorme de tráfego", explica Oswaldo Zanguettin.

Bruno do Amaral / TeleTime News